Páginas

domingo, 26 de agosto de 2012

Olha


imagem: arquivo pessoal


                   "Há seis mil anos o homem vive feliz
                    Fazendo guerras e asneiras
                                    Há seis mil anos Deus perde tempo
                    Fazendo flores e estrelas..."

"Olha o menino" - Jorge Ben




13 comentários:

  1. Ele não perde tempo, porque sempre há quem largue as asneiras para se deliciar com as flores.

    ResponderExcluir
  2. Oi, minha linda! Sinto saudades de você...

    Você tira fotos muito bem! Além disso, tenho paixão por ipês! ahahahah A foto me deixou de queixo caído aqui!

    Quero ver mais fotos que você tirou... Tem como você postar outras? Fiquei curioso rsrs

    Um beijo, minha linda!

    ResponderExcluir
  3. Bom ver o Jorge antes do Ben-Jor e sempre bom ver as antíteses prosaico-poéticas do velho contraste som/silêncio... Melhor ainda conhecer uma palavra tupi tão sonora e poética: parabéns pelo belo espaço e obrigado por seguir os Morcegos (uma pena que preferiste o silêncio ao invés de dar-me a alegria do teu comentário, né?)!

    ResponderExcluir
  4. Lindo isso!Tomara o homem acorde e pare de fazer besteiras...beijos,tudo de bom, adorei a visita! chica

    ResponderExcluir
  5. De folhas de Outono se coroa uma tonta
    Lancei pedras sobre as ondas furiosas
    Teimosamente arde neste peito uma raiva
    E vi muito lixo num covil de raposas

    As coisas que um poeta vê
    As coisas que que invadem uma alma demente
    Num silencio contaminador, estonteante
    Ouvi palavras de amargo presente

    Cheguei finalmente a uma certa praia
    Fiquei encoberto por uma mancha de gaivotas
    Na impressionante fachada da minha alma
    Fecham-se com estrondo todas as portas


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  6. .



    Amigo é melhor que dinheiro,
    mas tem alguns que nos dei-
    xam na lona.

    Amanhã, no blog do Palhaço
    Poeta.


    silvioafonso







    .

    ResponderExcluir
  7. Sopram ventos de melancolia
    Transparente é o cinza que a tua alma encerra

    A minha pobreza é a falta de um par de asas
    Encontrei um lugar de reinvenção das sombras
    Pensei virar as costas ao tempo e ao deslumbramento
    E aí houve estranhamente o amanhecer das minhas palavras

    E passei para te deixar


    Um mágico beijo

    ResponderExcluir
  8. Carlinha, quanta saudade de vc!!!!!! bjsss e obrigado por ainda me visitar.
    bjsss

    ResponderExcluir
  9. Olá!

    Excelente texto. Irei passar a seguir teu blog, possui imenso valor.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Cinco letras…
    Cinco pontas de cadente perdida na aurora
    Na loucura de alguns instantes escrevo
    Descalço vou adiante num ir longe, embora

    Solto das mãos murmúrios sussurrantes
    Do basalto explode um bando de pombos bravos, alguns negros
    Há um livro branco apenas com a palavra ausência
    Há uma carta de marear para um rumo de mil segredos

    Flores de solidão crescem em pedaços de fria lava
    Um espantalho saltou-me do bolso a remexer
    Uma sombra desceu a janela e tocou-me
    Cerrei olhos para sentir o que não queria ver

    Luminoso fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir
  11. Pois é amiga...Deus não desiste de nós...Nunca! Beijão

    ResponderExcluir
  12. Inventei a ironia numa toada de vento
    Roubei as asas a uma gaivota azul
    Colei-lhes um poema cheio de penas
    E enviei-o para uma tonta do sul

    Inventei um mar numa bola de sabão
    Roubei uma corda forte e boa
    Atei um rol de mágoa à mesma
    E afoguei-as nas águas de uma lagoa

    Bom fim de semana


    Doce beijo

    ResponderExcluir

Kiririm: palavra tupi que significa silencioso...
Receber seu comentário é motivo de alegria, mas, se preferir, entendemos o seu silêncio!